Tribuna
Nome: Ramon Magevski Boles - Comandante da 2ª CIA do 4º BBM
Título: PRIMEIRO ANO DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE DO CORPO DE BOMBEIROS EM VNI

“Boa noite a todos, senhor Vereador Chico Foletto, demais vereadores e servidores desta Câmara, nosso comandante do quarto Batalhão de Bombeiros Militar, Major Uliana, demais bombeiros presentes, Rodrigo do Samu, Subtenente Assis, os demais presentes, ouvintes, internautas. Estamos aqui para falar do primeiro ano do nosso Batalhão aqui em Venda Nova do Imigrante. Em vinte e um de outubro de dois mil e dezesseis, saímos das nossas estruturas improvisadas, ganhamos reforço de efetivo, ganhamos uma série de investimentos em equipamentos e viaturas, e chegamos, finalmente, ao bairro de São João, com nossa estrutura completa, protegendo vidas, o meio ambiente e riquezas alheias. O quarto batalhão foi criado em dois mil e seis no papel, em dois mil e sete se instalou o primeiro serviço no posto do Café, em dois mil e nove foi inaugurada de fato a sede do batalhão em Marechal Floriano e aqui em Venda Nova do Imigrante o nosso trabalho começa em setembro de dois mil e doze, com a instalação da guarnição avançada no posto Venturim, uma viatura, de doze a quinze bombeiros e uma média de quinze atendimentos por mês. Em vinte e um de outubro de dois mil e dezesseis foi a nossa inauguração e teve um grande salto na nossa capacidade de atendimento. Passamos de quinze bombeiros para trinta e sete, sete viaturas, e um investimento aproximado de cinco milhões. Atendemos Venda Nova do Imigrante com maior resultado, por ser a nossa sede, mas atendemos outros cinco Municípios, Laranja da Terra, Afonso Cláudio, Brejetuba, Conceição do Castelo e Ibatiba, e parcialmente outros oito Municípios, Iúna, Irupi, Castelo, Muniz Freire, Alfredo Chaves, Vargem Alta, Domingos Martins e Santa Maria de Jetibá. Durante esse ano, tivemos um total de mil e quinhentos e vinte e duas vistorias de prevenção de incêndio, um aumento de cinquenta e oito por cento em relação ao ano anterior. É importante destacar o trabalho do Prefeito Municipal, junto com o Secretário de Finanças, que tem feito de tudo para fazer desse Município, um Município seguro, na questão de liberação de alvarás da Prefeitura, sempre exigindo o alvará do Corpo de Bombeiros. Temos campanhas de conscientização, com a semana de prevenção, para mostrar a importância do extintor, do alvará, da segurança nos imóveis, e o combate ao incêndio florestal. Destacamos dois casos de sucesso em dois mil e dezessete, um relacionado a festa da Polenta, onde teve um princípio de incêndio na última edição, em uma caldeira. Com a grande quantidade de extintores que existem dentro do Polentão, um voluntário na cozinha tomou aquele extintor, fez o primeiro combate e evitou que aquele princípio de incêndio virasse um incêndio maior. A equipe de bombeiros presente foi lá e terminou o trabalho. Com relação a Serenata Italiana, em dois mil e dezessete tivemos uma ação importante da Afepol, que foi de limitar a entrada do público. Tivemos uma festa bem mais organizada, mais segurança e uma arrecadação para a Afepol. Em outros Municípios temos no máximo quatro hidrantes, e quanto mais hidrantes na cidade, mais protegida ela está e em Venda Nova do Imigrante temos treze hidrantes. É importante evoluir na prevenção de incêndios. O Corpo de Bombeiros está em Venda Nova do Imigrante, mas temos locais que podemos levar até vinte minutos para chegar no local e, às vezes, não precisa de nem um minuto para que um princípio de incêndio vire um incêndio. Ao longo desse ano desenvolvemos treinamentos gratuitos para a comunidade aprender a usar os extintores. Esse treinamento é gratuito para empresas, escolas, instituições. Até agora, duzentas e cinquenta pessoas já foram treinadas, e sabem usar o extintor, quando for necessário. Temos previsão de treinar o Ifes, na feira de ciências que está sendo idealizada pelo Secretário de Educação, e estamos com o quartel de portas abertas para quem quiser nos procurar. O treinamento é gratuito, e só ganha o cidadão, e o Município. Para fechar, temos algumas metas. Vamos ter no estádio do Rio Branco, todo público, da primeira divisão de futebol, no nosso Município, vamos ter a festa no Tomatão, e esses locais precisam estar seguros, e o Corpo de Bombeiros está aí para fazer esses eventos serem eventos de sucesso, como foi no Polentão, como foi a Serenata Italiana. Contamos com o apoio dos munícipes, dos vereadores, da Prefeitura, para que isso ocorra bem. Passamos para a questão de incêndios florestais. O Corpo de Bombeiros está preparado com equipamentos, com estratégias, mas precisamos de uma ajuda da comunidade em geral, porque isso é uma questão não só do Corpo de Bombeiros. Graças a Deus até hoje não tivemos nenhum evento grave, nenhuma casa queimada, nenhuma pessoa seriamente machucada, mas a gente sente um pouco que estamos enxugando gelo. Então, pedimos a toda população, autoridades do Município, que precisamos sentar e discutir esse assunto, para pensar como que a gente possa trabalhar para evitar que esse cenário seja tão repetitivo dentro do nosso Município. Estamos preparados, temos equipamentos, temos recursos humanos suficientes, mas é uma ação totalmente previsível, uma ação causada pelo homem e querendo ou não, isso tem manchado o Município, uma cidade turística, bastante frequentada, e tem ficado manchada por esses grandes pedaços de terra preta. Precisamos conversar sobre esse assunto para identificar as pessoas, punir as pessoas, mas a gente não pode deixar que o cidadão fique inalando essa fumaça. O Corpo de Bombeiros tem feito a parte dele, mas esse é um problema maior. Outra atribuição nossa é o combate e perícia de incêndio. Dentro das áreas urbanas atendemos cinquenta e duas ocorrências, de um total de cento e sessenta e seis de combate a incêndio. Nosso último atendimento foi naquela loja de eletrônicos localizada no bairro São Pedro. Esse local jamais foi vistoriado pelo Corpo de Bombeiros, e a possível causa desse incêndio foi a fiação elétrica inadequada. Não tinha trabalho feito anteriormente sobre prevenção, não tinha extintores e boa parte dos equipamentos foram danificadas. Na nossa atuação conseguimos preservar parte da loja, e conseguimos preservar os andares superiores. Tivemos cento e quatorze incêndios em vegetação e desses a gente chama a atenção para aquele do dia sete de setembro, aqui em Venda Nova do Imigrante, onde atuamos nos arredores da cidade em quatro incêndios ao mesmo tempo, e felizmente não tivemos nenhum cidadão ferido, nenhuma casa atingida e a mata nativa preservada. Para atingir esse nível de resultado, tem muito treinamento e muita capacitação técnica. Dos nossos bombeiros de Venda Nova do Imigrante, doze deles foram para dentro dos contêineres localizados na Serra, passaram por aquelas experiências de alta temperatura e isso é primordial para o nosso atendimento a ocorrências. Temos um instrutor nessa área, especializado nesse assunto. Recebemos uma pick-up com equipamento especializado para combate a incêndios a vegetação. Fora a aquisição de equipamentos, temos um plano de mobilização de efetivos e recursos adicionais para apoio a grandes ocorrências de incêndio florestal. Antes da inauguração da nossa unidade, a gente sabe da história do grande incêndio que ocorreu em dois mil e quinze, e não estávamos aqui. Hoje estamos aqui, temos trinta e sete bombeiros, o apoio e suporte do quarto batalhão de Marechal Floriano, e temos mais do que isso, um planejamento de acionamento de recursos, e nesse planejamento, a gente pode alcançar o número de até trezentos bombeiros presentes na ocorrência. A medida que o incêndio ganha proporção, vamos chegar com muito efetivo, com muitos recursos, para que esse incêndio não traga os transtornos de dois mil e quinze. Temos a defesa civil no Município, na pessoa do senhor Cloves, ele já realizou os três cursos necessários. É importante dizer que ele é um parceiro nosso, ele, com a Defesa Civil e a Secretaria de Obras, sempre estão presentes com o carro pipa. Temos cento e sete salvamentos em nosso Município. Desses, doze foram atendimentos de remoção de vítimas presas às ferragens. Estamos numa BR e esse é o nosso foco. Doze atendimentos não significa que houveram somente doze acidentes na BR, mas que doze foram acidentes em que as vítimas ficaram gravemente feridas, e não tinha outra forma de tirar das ferragens, senão por meio daqueles equipamentos de desencarceramento. Temos um grupo no Whatsapp e nesse grupo a gente troca informações sobre ocorrências. Nesse grupo temos que destacar uma ocorrência de um caminhão tombado na rodovia Pedro Cola, e com toda explicação técnica do soldado Lucas Calmon, descrevendo o que foi utilizado de técnicas para o socorro da vítima envolvida nesse acidente. Muitas vezes estamos focados nesse trabalho de desencarceramento, mas temos todo o apoio da Polícia Militar, Polícia Federal, o pessoal da Defesa Civil, e temos os guinchos do Faé, aqui do Município, que por diversas vezes, não correram do árduo trabalho de sair de madrugada, de sair de noite, do seu conforto, para ir dar apoio para a gente nas ocorrências. Ficam nossos agradecimentos. Para se alcançar resultados na atividade de bombeiros, não basta equipamento, temos que ter treinamento, capacitação e especialização técnica. Em dois mil e dezessete tivemos um curso de salvamento em altura em São Paulo, realizado pelo sargento Adair, em dois mil e dezesseis, salvamento em desabamentos, no Chile, realizado pelo soldado Guilherme Perim, salvamento em deslizamentos, realizado pelo soldado Lucas Calmon, em dois mil e dezessete, salvamento veicular, ministrado pelo quarto batalhão e realizado por seis bombeiros da nossa equipe, além do instrutor. Todos os anos estamos reforçando as nossas técnicas por meio desses cursos. Temos um total de duzentos e dezessete atendimentos realizados em nossa região, em área de APH. Socorro de urgência, são atividades realizadas pelas nossas ambulâncias de resgate. A ambulância faz a remoção da vítima do local e leva para o hospital, onde receberão um tratamento mais aprofundado. Esse tipo de ocorrência atingiu trinta e oito por cento do nosso total de atendimentos. Temos o Samu como nosso parceiro nessa atividade e somos uma equipe só nessas ocorrências na BR. Em dois mil e dezessete tivemos um acidente envolvendo a mulher do Prefeito de Muniz Freire, no qual ela veio a óbito, e sua filha, que ficou gravemente ferida. Ela foi atendida tanto pelos bombeiros quanto pelo Samu e posteriormente ela esteve no nosso quartel, saudável, viva e isso é um dos melhores momentos da nossa trajetória, quando a vítima gravemente ferida, despois de um trabalho belíssimo das nossas equipes, vai no nosso quartel agradecer. Outro caso bastante marcante para a gente, a família de um bebê estava nos visitando em agradecimento, por nós tido salvo o bebê de um ano, pelo telefone. Nosso quartel possui atendimento de emergência vinte e quatro horas, todos os dias. Se ligar um nove três agora, vai cair lá em São João, tem um militar lá atendendo e filtrando as ocorrências. Nessa ocorrência, houve essa ligação na madrugada, e não podíamos pedir para esperar chegar o resgate. E pelo telefone mesmo foi passada toda a informação necessária para o salvamento do bebê. Tivemos um total de quinhentos e setenta e quatro atendimentos nesse um ano, são quatorze Municípios que atendemos, duzentos e dezessete foram atendimentos hospitalares, de ambulância, cento e quatorze incêndios de vegetação, cento e sete salvamentos, cinquenta e dois incêndios urbanos e outros setenta e quatro, e dentro desses ‘outros’, tem o atendimento a ocorrência daquele rapaz que ficou perdido no Caparaó esse ano. Embora a gente não tenha ido de fato ao Caparaó realizar esse resgate, mas a nossa unidade de Venda Nova do Imigrante serviu de importante canal de comunicação com os bombeiros que estavam em operação, e o nosso operador de rádio fez toda comunicação, ajudou, colaborou, apoiou toda comunicação, para ter sido resgatado aquele senhor nesse ano. Tivemos uma média de quarenta e sete atendimentos por mês, e comparando, no início da nossa história tivemos uma média de quinze atendimentos por mês, e com todo investimento, todo ganho de efetivo, de numeral, alcançamos esse número de quarenta e sete atendimentos por mês. Esse serviço nosso jamais foi interrompido, está disponível a todo momento para os cidadãos, não tivemos nenhum acidente em combate, isso é importante, é um indicador de qualidade de trabalho. Estamos aqui a pouco temos e sabemos que a aproximação com a comunidade é importante para o nosso serviço. Temos feito nosso esforço para nos aproximar da comunidade, e uma das ações que fizemos nesse sentido, foi a campanha do agasalho, não fizemos essa campanha, mas apoiamos a Prefeitura como ponto de coleta. Tivemos no nosso quartel os jovens do instituto Jutta Batista, fizemos eles conhecerem nossos equipamentos e o quartel. Fica o convite para todos do Município, que tem crianças pequenas, para levarem no quartel, qualquer dia da semana, estaremos no quartel para recebe-los. As portas estão abertas. Fechando, por diversas vezes fomos questionados, como que a comunidade pode se aproximar dos bombeiros, como pode ajudar ao bombeiro, fazer algum tipo de doação, e a gente ficava sem resposta para isso, mas ao mesmo tempo, nossos bombeiros vinham até a gente perguntando como faziam para participar das festas do Município, para trabalharem como voluntários, interagir mais com o Município. E nesse ano, uma brilhante ideia do sargento Roberto, a gente iniciou esse plano para desenvolver uma associação sem fins lucrativos, dentro do Município, apoiando a atividade dos bombeiros. Essa associação tem essa finalidade, ser uma ferramenta para viabilizar a caridade entre os bombeiros militares e a comunidade vendanovense. Já está virando papel e daqui a pouco estará vingando. Temos já a participação na festa da Polenta, agora em dois mil e dezessete, com doze bombeiros, fazendo serviço voluntário e esse foi o pontapé inicial para a nossa associação. O Corpo de Bombeiros é um órgão técnico, mas que busca dar o melhor suporte ao Município, deixando todo Município amparado com relação à segurança, deixa o Prefeito tranquilo, essa Câmara tranquila, pois estamos aqui com muito conhecimento, com muita disposição, desenvolvendo um trabalho técnico sério. Quero colocar o nosso quartel à disposição, agradecer ao Vereador Chico Foletto pelo convite. Boa noite.”.
Av. Evandi Américo Comarella, nº 385 - 4º andar
Venda Nova do Imigrante – ES - CEP 29375-000
Telefax: (28)3546-0074
Horário de funcionamento: 12:00h às 18:00h
Data e horário das Sessões: Todas as terças-feiras 19:00h no Plenário da Câmara Municipal
E-mail: camaravni@camaravni.es.gov.br